The current Bet365 opening offer for new customers is market-leading bet365 mobile app You can get a free bet right now when you open an account.

Cuiabá ganha destaque nacional no combate à dengue

Cuiabá ganha destaque nacional no combate à dengue

Quinta-feira, 21 de fevereiro de 2019 08h00
A Capital registrou apenas 56 novos casos contra 181 em São Paulo e 882 em Rio Branco/Acre
O intenso trabalho realizado pela gestão Emanuel Pinheiro para reduzir o índice de infestação do Aedes aegypti em Cuiabá recebeu destaque nacional nesta quarta-feira (20).
Enquanto São Paulo e Rio Branco/Acre tiveram aumento nos índices para casos de dengue (doença causada pelo vetor), Cuiabá provou que ações integradas entre o poder público e a população podem ser eficazes e reduzir a incidência.
Para se ter noção, comparando o mesmo período entre 2018 e 2019, São Paulo saltou de 96 para 181 novos casos. A ocorrência é ainda mais preocupante em Rio Branco, pois a Capital registrou 211 casos da doença no ano passado e 882 este ano. Já Cuiabá reduziu drasticamente os 351 casos da doença para 58.
Para o prefeito Emanuel Pinheiro a redução é fruto do enfrentamento diferenciado que sua gestão ofertou para o combate a proliferação do Aedes aegypti.
“Nossa primeira ação foi criar um Comitê Municipal de Ação Preventiva ao mosquito Aedes aegypti (instituído pelo decreto nº 6.207 de 02/01/2017) e por meio dele fortalecer todas as atividades desde o combate à conscientização das doenças ocasionadas pelo vetor. Com isso, melhoramos e intensificamos os programas de prevenção que realizam semanalmente palestras nas escolas do município e dentre outras ações, como por exemplo mutirões de limpezas realizados pela Secretaria de Serviços Urbanos. Passamos também a contar com o apoio de um VANT - espécie de drone (veículo aéreo não tripulado), para fazer o mapeamento e monitoramento georrefereciado dos focos larvários. Então esse resultado vem para coroar o trabalho já feito e mostrar que estamos no caminho certo na luta contra o Aedes, que também é o vetor das doenças, zika vírus e as febres chikungunya e amarela", frisou.
OZIANE RODRIGUES/Marcos Vergueiro